Notícias

13/05/2015
Desconecte-se
Desconecte para se conectar

Em meu consultório, tem sido cada vez mais frequente a procura de pessoas que têm se sentido sozinhas em meio a tantas outras pessoas, ou, ainda, que têm se sentido muito ansiosas e tensas no dia a dia. Observo que esses sentimentos, muitas vezes, são (em parte) produtos dos estilos de vida que vêm se configurando nos últimos tempos. Sem entrar em análises profundas e complexas, venho comentar em como essas mudanças podem estar influenciando em nosso cotidiano. 
Para isso, trago você para refletir sobre como as relações de hoje estão. Salas de espera, aeroporto, intervalo no local trabalho e até mesmo festas, oportunidades ótimas para ampliar seu "networking" e fazer amizades, certo? Ou, ainda, momentos com a família na sala, todos sentados à mesa, servindo-se no almoço ou jantar, em restaurantes e barzinhos com os amigos. Será que estamos sabendo aproveitar ao máximo esses momentos? 
 A vida moderna trouxe inúmeras facilidades e tecnologias como celulares smartphones, tablets, etc. E ficou cada vez mais fácil conectar-se com várias pessoas pela internet, usando um simples celular no bolso. Momentos como esses, citados anteriormente, podem passar despercebidos e aquele gostinho do encontro espontâneo e divertido parece se esvair e escorrer pelos dedos.
Isso porque, ficando disponível ao contato com tanta gente na internet, podemos acabar criando o hábito de ficar todo e qualquer tempo livre conectado, nem que seja para saber o que estão postando, vendo os comentários que as pessoas estão fazendo, sem necessariamente manter contato direto com elas todo esse tempo. O problema é que esse estar conectado a tanta gente ao mesmo tempo, de forma exagerada, pode nos tirar do contato direto de pessoas que realmente se importam conosco. Podemos perder momentos valiosos no contato físico e real com as pessoas que amamos.
O mundo está mudando e precisamos nos adaptar a essas mudanças. Caso contrário, estaremos fadados a comprometer nossos relacionamentos e nossa qualidade de vida. Algumas pequenas mudanças na forma de fazer as coisas já podem trazer grandes resultados. Experimente:

. estabelecer horários de acesso à internet e/ou jogos;
. dispor-se a estar presente em seus relacionamentos; 
. participar ativamente dos momentos nos quais está envolvido(a); 
. criar oportunidades para rir de coisas simples no contato com outras pessoas; 
. tratar com carinho e atenção as pessoas à sua volta, etc.

Por mais simples que sejam essas ações, pode ser difícil sair do hábito, da chamada zona de conforto; mas essas iniciativas, certamente, já trarão consequências bastante positivas. Se precisar de ajuda, conte com um bom profissional que poderá orientá-lo em questões que o incomodam, ajudando-o a se conectar com o que realmente vale a pena.

Cristina Okamoto (CRP 08/14431)

Busca