Notícias

13/07/2020
Uma casa velha

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                    

           Uma casa velha

 Não sou grande apreciadora de livros clássicos. Alguns, adoro; muitos, não gosto; outros, nem pensar! Não é por causa desse título que corro atrás de um livro.

            Mas gosto de coisas velhas, antigas, ou vintage, se você preferir. Tenho na sala principal da minha casa (a única sala) um baú (herança da minha nonna) e uma cristaleira (herança da avó do meu marido, a batian dele). A mesa em que escrevo foi da minha irmã; fiz um trabalho de “arte” nela e agora somos amigas inseparáveis. Vivemos grudadas!

            Num dia desses, saí com o neto da batian acima e fomos a um sítio. Lá, fica a casa em que ele morou quando nasceu (uma casa velha, quase caindo aos pedaços); sentei-me uns minutinhos na varanda com o livro O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON, de Fitzgerald. E fiquei ali, lendo um pouco. Esse é um livro-conto fantástico, que fala de um homem que nasceu ao contrário. No começo era um velhinho que usava bengala e gostava de fumar os charutos do avô. No fim, usava fralda, comia papinha, era um bebezinho. Morreu no berço com a pele lisinha.

            Existe, sim, um ciclo que não podemos impedir. A casa fica velha (talvez ainda guarde as melhores lembranças da vida de alguém); os livros se tornam clássicos, e eu vou me enchendo de cabelos brancos. Posso disfarçar (e eu faço isso com afinco), mas eles continuam lá. E, quer saber, ainda bem. Ainda bem que nasci bebê e a vida foi transformando a minha pele (e a minha alma também).

            Benjamin Button que o diga! Parece até que seria legal o tempo ir fazendo de você uma versão cada vez mais jovem. Só que, na verdade, é um grande desastre.

            Por falar nisso, moro num apartamento antigo. Os sinais do tempo vão se mostrando aqui e ali. De vez em quando, troco algumas coisas. Outras, deixo peças “vintage” espalhadas por aí. Para combinar comigo, quem sabe, vou ficando cada vez mais vintage também.

 

 

Beijo,

Kelly Shimohiro

Busca