Notícias

13/07/2020
O amor por Londrina como ferramenta de cidadania

O amor por Londrina como ferramenta de cidadania

 

"Vislumbro uma cidade mais humana e igualitária, com mais acessibilidade e melhor mobilidade, e mais participativa em eventos culturais...", diz a professora Sônia Gimenez

Nascida em Londrina, com extensa formação acadêmica, Sônia Gimenez é química, com mais de 30 anos de docência e de participação na UEL, onde atuou em projetos de ensino, pesquisa e extensão e também em sua administração. Sônia participou do secretariado do Prefeito Alexandre Kireeff, atuando como Superintendente da ACESF (Administração de Cemitérios e Serviços Funerários de Londrina). Atualmente, vem se dedicando à escrita de diversas publicações, entre elas, um livro sobre Gestão de Resíduos.

 

Quais foram os principais projetos executados enquanto Superintendente da ACESF?

 

Entre os principais, destaco: a elaboração e atualização documental da situação dos cemitérios; adaptações em procedimentos internos financeiros e administrativos; adequações de arborização no cemitério São Pedro, de acessibilidade nos cemitérios São Paulo e Padre Anchieta e no cemitério Jardim da Saudade, além da execução da rede de esgoto, calçamento em todo o entorno, e da construção de um sistema de servidão de passagem. Incluo ainda os projetos de poços de monitoramento para avaliação da qualidade da água destinada a todos os cemitérios. Junto a órgãos e secretarias, foi adquirido, após dois anos de estudo, um terreno de cerca de dois alqueires para a construção de um novo cemitério, com proposta de modelo em uma parte parque e outra tradicional e vertical, e também área e pré-projeto para duas capelas mortuárias, uma na Região Sul e outra no Distrito de Irerê. Além disso, realizamos um encontro com representantes de 17 municípios do Estado do Paraná, para discutir demandas e possíveis soluções sobre a administração e gestão de cemitérios.

 

"Penso que a ACESF necessita de uma nova estrutura devido à importância enquanto equipamento que atende uma política pública imprescindível."

 

O que a senhora pensa sobre a atuação da mulher na política?

 

Atualmente, sou pré-candidata à vereadora e esse é um grande desafio. As mulheres não devem colocar seus nomes apenas para completar chapa eleitoral. As mulheres devem buscar espaço e representatividade, no legislativo ou no executivo.

 

Na sua visão, quais são as principais necessidades de Londrina?

 

São muitas: nas questões ambientais, por exemplo, melhorar a gestão de resíduos e as condições das cooperativas de recicláveis; no que se refere aos fundos de vale e áreas do entorno, que precisam de melhorias e conscientização sobre sua importância; e ainda os equipamentos públicos e os pontos turísticos, que precisam ter valorização com o sentimento londrinense. Vejo também a necessidade de um crematório público para a região metropolitana de Londrina; a atenção à mobilidade e sua adequação com as ferramentas tecnológicas; as discrepâncias e o descaso com a área rural, que precisamos trabalhar, além de dar mais atenção às regiões periféricas da cidade; à situação dos animais abandonados, para a qual é preciso conscientização e fiscalização. Na educação, é preciso fomentar as condições de estudo e de empregabilidade; a melhoria na manutenção dos espaços das escolas urbanas e rurais, para que ambas as adequações sejam exemplares. No ensino, a pandemia tem demonstrado a discrepância que existe em termos de disponibilização de ferramentas tecnológicas em escolas. Londrina precisa de um ensino de condições igualitárias, inclusive no que diz respeito a trabalhos complementares.

 " Enquanto cidadã, meu maior projeto é contribuir com melhorias para a nossa cidade."


Por Milene Pascoal

Busca