Notícias

10/12/2018
Pura elegância - Gabriela Favoreto, a consultora de estilo que conquista cada vez mais destaque no cenário londrinense
Estilo, com Gabriela Favoreto
“O objetivo não é tornar a forma como me visto ‘a referência de estilo’. Cada uma tem um corpo e uma vivência de mundo próprios. Quero validar essa diversidade”

IMG_0070.jpg

Gabriela Favoreto destaca-se no cenário londrinense, no ramo em que atua: a consultoria de estilo. Nascida em Londrina, Gabriela é mãe, cursou administração e psicologia, fez pós-graduação em comunicação e estudou consultoria de imagem/estilo. “Meu maior desafio é, diferentemente do segmento blogueiro, mostrar o lado sério da consultoria de estilo. Tudo isso envolve muita técnica, muita proporção, muitas cores, aliado a muito estudo”, declara a consultora já no início de nossa conversa.
Gabriela também possui um blog, uma página no Facebook, escreve para o Jornal da Gleba (na coluna Estilo) e faz participações no programa Vitrine Revista (da apresentadora Lu Oliveira), na TV Tarobá.

Jornal da Gleba - O que é consultoria de estilo? Uma personal stylist?
Gabriela Favoreto -  Consultoria de estilo e personal stylist são a mesma coisa. Meu trabalho consiste em identificar quem é a mulher que procura essa consultoria. A ideia é construir um armário em total coerência com a pessoa. Fazer com que o armário acompanhe sua realidade. Mesmo que o armário esteja cheio, a maioria das mulheres usa apenas 20% do que possui. A proposta é captar o que ela quer transmitir enquanto comunicação visual. Em seguida, elaborar um plano de ação que vise construir um armário inteligente. Uma revitalização, eliminando a desorganização e os excessos, aumentando o senso crítico e de responsabilidade social. Isso acaba influenciando, inclusive, o orçamento familiar. Fico o dia todo com a cliente. Faço uma avaliação do seu estilo de vida e saímos para as compras, com a cartela de cores e em lojas específicas para ela. Voltamos para casa e passamos todo um período formulando looks para as mais diversas situações. O objetivo não é tornar a forma como me visto “a referência de estilo”. Cada uma tem um corpo e uma vivência de mundo próprios. Quero validar essa diversidade.

JG - Qual é o seu público-alvo?
GF - Atendo somente mulheres e empresas/lojas voltadas para a moda. Mulheres de 20 a 60 anos. Mas, principalmente, mulheres que vivem momentos de transição: mulheres que vão se tornar mães; que estão mudando de profissão; que estão se aposentando; mulheres que estão iniciando a terceira idade. Mulheres resolvidas, maduras, que entendem seu propósito de vida. Há momentos na vida que exigem uma consultoria mais específica, enquanto identidade visual. 

JG - Como você avalia seu negócio, está em crescimento?
GF - Devido à minha formação acadêmica e profissional, num simples passeio pelos shoppings da cidade, é possível perceber que grande parte dos empreendedores/lojistas não têm muita noção do que está acontecendo em seus estabelecimentos, no que diz respeito à comunicação social/visual de seus negócios. Na perspectiva da mulher, ela não quer mais a frustração, cair em papo de vendedor, e viver em um mundo em que só o homem tenha espaço. Trocar o sentimento de consumismo exacerbado pelo consumo consciente é também outra perspectiva para o segmento. Portanto, sem dúvida, tanto meu negócio, quanto o campo de atuação e o mercado estão em crescimento.

Hugo Kitanishi

Busca