Notícias

11/08/2014
IPTU 2015
Síndicos farão reunião para discutir o IPTU 2015
Secretário de Fazenda do Município garante que o reajuste não trará grande impacto aos contribuintes do bairro
Gleba Capa (1).JPG

O reajuste da planta de valores do IPTU 2015 é um assunto que vem tirando o sono de boa parte dos moradores da Gleba Palhano.  Durante as três últimas reuniões mensais do Conselho de Condomínios Residenciais da Gleba Palhano, ConGP, o provável aumento do IPTU foi o assunto mais discutido. Por isso, criou-se a Comissão de Assuntos Tributários, visando analisar o tema e discuti-lo com a comunidade, para reivindicar do Poder Público razoabilidade nessa questão. 
Alexandre Felix, síndico do edifício Paranoá, é quem assumiu o comando da Comissão de Assuntos Tributários. Ele acredita que a maioria das pessoas não está atenta para o aumento da planta de valores. "Apesar da importância, percebo que há pouco interesse nesse assunto. Devemos discutir agora para que não haja surpresas negativas", afirmou Felix. 
Durante a última reunião do ConGP, que aconteceu no edifício Porto Madero (Rua João Huss, 150), os participantes deixaram claro que a maior preocupação é que a Prefeitura aumente demasiadamente o IPTU de 2015; chegou-se a especular um aumento de até 300%.  Carlos Scalassara, advogado e membro do ConGP, também está temeroso em relação ao reajuste: "A planta de valores de 2002 não está congelada, vem sendo atualizada pela inflação, e a remuneração da maioria das pessoas que mora na Gleba é feita por salário ou vencimento, que são corrigidos pela inflação. Portanto, qualquer aumento acima desse índice é confisco. As pessoas não terão de onde tirar para pagar o IPTU".  
Apesar dos temores do ConGP, Paulo Bento, secretário de Fazenda, garantiu à reportagem do Jornal da Gleba que o reajuste será menor do que se especula.  "A ideia é fazer justiça fiscal, não haverá regiões com mais ou menos aumento, e os moradores da Gleba Palhano podem ficar tranquilos que não haverá um aumento exorbitante", prometeu Bento. 
De acordo com o secretário, bairros jovens como a Gleba Palhano apresentam muitas variações de IPTU. "A tendência é de que os imóveis comprados há dez ou cinco anos paguem um IPTU próximo daquele de imóveis mais novos. Para chegar a esses novos valores, foram analisados os contratos de compra e venda, o ITBI, que fica aqui na prefeitura, e o registro de imóveis". Paulo Bento não soube informar quando o projeto será levado à Câmara Municipal. "Nosso trabalho já foi feito, agora, depende do prefeito escolher uma data para enviar o projeto. Mas acredito que seja em breve", afirmou. 
Além de secretário de Fazenda, Paulo Bento também é morador do bairro. Ele disse estar disponível para participar da próxima reunião do ConGP sobre o IPTU 2015. Esse encontro acontecerá 
no dia 23 de agosto, sábado, às 10 horas, no edifício Paranoá, na Rua Antônio Pisicchio. Estão convidados todos os síndicos da região e representantes das associações de bairro próximas à Gleba Palhano.  

Rafael Montagnini

Busca