Notícias

18/02/2018
Lixo a preço de ouro
Além do aumento do IPTU, os moradores do bairro tiveram outra surpresa desagradável neste início de 2018, o reajuste da taxa de coleta do lixo

IMG_6506.JPG

Com a mudança do mapa da coleta de lixo domiciliar, a Gleba Palhano passou a receber o serviço de recolhimento diário de resíduos orgânicos e rejeitos de pequenos geradores residenciais e comerciais. Contudo, moradores e síndicos ouvidos pelo Jornal da Gleba dizem que não há a menor necessidade de aumentar, de três para seis, os dias de coleta. 
Além de mais dias para o recolhimento do lixo, o custo da taxa da coleta aumentou de forma significativa para o contribuinte, assim como também ocorreu com o IPTU. Síndico do condomínio Maison Giverny, João Vitor Gorla discorda totalmente do critério adotado pela CMTU em relação aos dias de coleta. “Não precisamos que os caminhões de lixo passem todos os dias aqui. A coleta em três dias da semana é mais do que suficiente. Juntamente com síndicos de outros edifícios vamos questionar o valor dessa cobrança na Justiça”, afirma João Vitor Gorla. 
Outro síndico descontente é Marcus Ginez, do edifício Júlio Ribeiro. Ele aponta mais uma incongruência nesse novo mapa da coleta de lixo domiciliar: “A Gleba Palhano é formada por edifícios com estruturas modernas, aptas a armazenar o lixo por vários dias. Do jeito que está, vou precisar contratar um funcionário só para ficar retirando o nosso lixo”. Alguns edifícios são exemplos de armazenagem de material reciclável, como o Jardins Eco Resort & Residence, que foi capa da edição de setembro de 2017 deste periódico. 
Juristas convidados pelo Conselho de Condomínios Residenciais e Comerciais da Gleba Palhano (ConGP) a participar de suas últimas reuniões apontam que é improvável uma decisão favorável da Justiça no sentido de cassar o reajuste do IPTU 2018. Já o aumento da taxa de coleta do lixo é considerado totalmente questionável. Ainda no mês de janeiro, o ConGP preparou um documento, que foi entregue ao Gabinete do Prefeito, à CMTU e à Secretaria de Fazenda do Município, com os seguintes questionamentos:
- Não houve por parte da prefeitura nenhuma consulta aos moradores da região sobre a necessidade de aumento na frequência da coleta. 
- Em uma mesma rua, imóveis com características idênticas receberam cobranças com valores discrepantes, ferindo os princípios constitucionais de isonomia e proporcionalidade. 
- Identificou-se divergência quanto ao valor cobrado do contribuinte e a planilha de valores pagos pelo Município à empresa responsável pelo recolhimento dos resíduos orgânicos e rejeitos. 
Até o fechamento desta edição, nenhuma resposta foi dada aos contribuintes da Gleba Palhano. 

Rafael Montagnini

Busca