Notícias

10/08/2017
O lobisomem londrinense
Procurador do Estado do Paraná e morador da Gleba Palhano, Clecius Alexandre Duran é autor de livros de terror

IMG_6155.JPG

Uma matilha de perigosos lobisomens vive em Londrina, mais precisamente na Gleba Palhano, mas o leitor do Jornal da Gleba não precisa ficar preocupado em andar pelas ruas e avenidas do bairro em noites de lua cheia. Isso porque esses seres mitológicos habitam apenas a mente e os livros de Clecius Alexandre Duran, autor de "Crônicas da Lua Cheia" e "A Ascensão do Alfa". Nesses livros, o autor apresenta histórias ficcionais de terror que têm, como pano de fundo, locais reais e muito familiares da nossa cidade, como o Zerão. Esse estilo literário, conhecido como dark fantasy, é um subgênero que  combina fantasia  com elementos de horror. 
Clecius é o típico nerd do século XXI, usa cabelos longos, anéis de caveira e lobos, além de vários brincos na orelha esquerda. Joga videogame, possui diversos dioramas de super-heróis, e tem uma coleção interminável de revistas em quadrinhos que se espalha por diversos cômodos de sua casa. Mas o item de que Clecius mais se orgulha é um gládio, espada romana curta de dois gumes, forjado sob encomenda por um ferreiro gaúcho.  
Filho de um delegado e de uma advogada, Clecius nasceu e cresceu na capital paulista. Por influência da família, direcionou sua carreira acadêmica para a área jurídica. Quando concluiu a universidade, sabia que queria trabalhar no Poder Judiciário e, em 2000, assumiu o cargo de Procurador do Estado do Paraná. 
Em 2014, aos 45 anos, lançou seu primeiro livro, o "Crônicas da Lua Cheia", pela editora paulista Giostri. Entre processos judiciais e lobisomens, Clecius recebeu o Jornal da Gleba em seu gabinete.   

Jornal da Gleba - Como surgiu essa admiração pela literatura fantástica de terror?
Clecius Alexandre Duran - Sempre fui um entusiasta desse tipo de literatura. Quando eu era criança, meus tios me emprestaram uma enciclopédia que trazia histórias de diversos seres mitológicos da cultura greco-romana, como a história de Licaão, um rei que foi transformado em lobo por Zeus. 

JG - Seu trabalho como procurador o deixa bastante atarefado. Como é conciliar a vida entre a Procuradoria Regional de Londrina e a literatura? 
CAD - Pelo cargo que ocupo, preciso escrever muito; transformo a realidade em palavras. Por isso, uma atividade não atrapalha a outra, talvez até ajude. Como escritor, posso fugir totalmente do mundo real e criar as histórias mais absurdas que eu quiser. 

JG - Quais as influências da matilha que o senhor criou? 
CAD - Meus lobisomens são um misto de diversas tradições e mitos. Quase todas as culturas humanas apresentam um ser com aspectos dos lobisomens. Fui pegando o que eu achava de mais legal nessas tradições e na cultura pop para caracterizar meus personagens. 

JG - Onde é possível encontrar seus livros?
CAD - O "Crônicas da Lua Cheia" é vendido na Livrarias Curitiba, e "A Ascensão do Alfa" está no site da Amazon. 

Rafael Montagnini

Busca