Notícias

12/06/2017
Nutrição e imunidade
imunidade.jpg

Emagrecimento, ganho de massa muscular, melhora de desempenho esportivo, tratamento de alergias e intolerâncias alimentares podem ser diferentes metas quando se busca o acompanhamento nutricional. Ainda são poucas as pessoas que buscam o trabalho do nutricionista pensando, prioritariamente, no sistema imune, mas nenhum dos objetivos mencionados pode ser alcançado se, com frequência, o paciente precisa ser tratado de infecções e inflamações e depende de medicamentos. A verdade é que há aspectos básicos que o profissional nutricionista precisa levar em conta ao elaborar um planejamento alimentar e manter a imunidade em dia é um deles.
A glutamina é um aminoácido, que o organismo consegue produzir, altamente consumido como fonte de energia pelas células de defesa, como linfócitos, além de ter um papel importante em manter a integridade intestinal, reduzindo a chance de bactérias atravessarem a barreira do intestino, causando infecção. Em algumas situações, como exercício intenso e/ou prolongado regularmente, a disponibilidade de glutamina para o sistema imune pode ser afetada, tornando a pessoa mais suscetível. 
O intestino, aliás, é um órgão que merece grande atenção: é uma extensa barreira física, tem seu próprio sistema imune e é povoado por microrganismos - a microbiota intestinal. Todos esses aspectos precisam ser supridos com a alimentação: fibras, probióticos e água são fundamentais para a função e integridade intestinal.
As vitaminas C e E e os minerais selênio e zinco, nutrientes com atividade antioxidante, aumentam a proliferação de células de defesa, mantem a sua integridade e neutralizam a ação de radicais livres, mantendo as células aptas à sua função - combater agentes agressores. Variar em vegetais e frutas é uma excelente forma de se conseguir vitamina C diariamente, já as oleaginosas(castanhas, nozes, amêndoas, macadâmia) são boas fontes de vitamina E, selênio e zinco.
Fundamental para a saúde óssea, a vitamina D, frequentemente, se apresenta em níveis insuficientes em muitas pessoas em função da baixa exposição ao Sol. Para o sistema imune, ela contribui em aumento de anticorpos e da função anti-inflamatória.
Especialmente, a qualidade da sua alimentação poderá interferir diretamente na forma como seu organismo se defende de agentes agressores. Manter o consumo diário de frutas e vegetais, bom aporte de proteínas e água pode ser um ótimo começo. Ao passo que dietas altamente restritas e desequilibradas, visando o emagrecimento por si só, são desaconselhadas, assim como o consumo exagerado de alimentos processados. O "quanto mais colorido, melhor", nunca foi tão verdade como na relação Nutrição - Imunidade.

Talita Capoani
Nutricionista Esportiva CRN8 4771
(43) 3325 3278 / (43) 8418 1838
@nutritalitacapoani

Busca