Notícias

12/06/2017
OS NOMES DAS NOSSAS RUAS
Conheça as pessoas que batizaram as vias do nosso bairro

IMG_6050.JPG

É muito comum não questionarmos por que nossas ruas e avenidas foram escolhidas para homenagear uma determinada pessoa, país ou cidade. Na Gleba Palhano, temos diversas dessas honrarias. São ruas que homenageiam ilustres londrinenses, personalidades famosas, como o ex-piloto de Fórmula 1, Ayrton Senna,  e outros personagens históricos. Além disso, três ruas importantes levam o nome de capitais internacionais: Caracas, Montevidéu e Jerusalém. 
Nesta edição, o Jornal da Gleba foi atrás das histórias de algumas pessoas que deram seus nomes para as jovens vias da Gleba Palhano. Usamos como fonte o livro "Caminhos de Londrina", lançado em 1993 pela Câmara Municipal de Londrina (CML), e que traz a biografia das pessoas escolhidas para batizar ruas, avenidas, praças e propriedades públicas.  As edições desse livro estão disponíveis em PDF no site da CML. 

(Ruas) João Wycliffe, João Huss e Ulrico Zuínglio  - Foram três personalidades importantes para a Reforma Protestante. Esse movimento reformista cristão começou no fim do século XV e início do século XVI. Seu principal acontecimento foi a publicação de 95 teses de Martinho Lutero na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, na Alemanha. A Reforma Protestante questionava diversos dogmas e doutrinas da Igreja Católica Romana, como a venda de indulgências, o celibato clerical e a livre interpretação da Bíblia.

(Rua) Pedro Cândido Romero  - Nasceu em 1° de julho de 1928, em Bela Vista (SP). De família humilde, prosperou em Londrina como empreiteiro e chegou a executar grandes obras na cidade. Foi diretor do Albergue Noturno Raul Faria Carneiro por onze anos. Também presidiu o Lar Anália Franco por trinta anos. Faleceu aos 78 anos, em 2007. 

(Avenida) Madre Leônia Milito - Nascida na Itália, em 1913, ingressou na vida religiosa no Instituto das Pobres Filhas de Santo Antônio, aos 22 anos. Quatro anos após chegar ao Brasil, fundou a congregação das Missionárias de Santo Antônio Maria Claret, com Dom Geraldo Fernandes. Morreu em 22 de julho de 1980, em Cambé, em um acidente de carro. Após a sua morte, fiéis esperam pela canonização da religiosa.

(Rua) Antônio Pisicchio - Foi um dos sócios-fundadores da empresa Plaenge Ltda. Por sua iniciativa, a construtora fundou um centro de treinamento e aperfeiçoamento de
pessoal. Nasceu em Corato, na Itália, em 17 de novembro de 1928.  Desembarcou com a família no Brasil em 1949 e foi morar em Irati (PR). Depois de casado, veio para Londrina e trabalhou como pedreiro e mestre de obras. Foi pioneiro ao investir em capacitação profissional dos operários que trabalhavam em seus canteiros de obras. Faleceu no dia 4 de junho de 2000.

(Rua) Ernani Lacerda de Athayde - Funcionário do Ministério da Aeronáutica por 22 anos,  trabalhou na execução das obras do aeroporto de Londrina. Após o término das obras das pistas, aposentou-se e passou a se dedicar ao bar e lanchonete do Aeroporto Governador José Richa até 1961.  Nascido no Rio de Janeiro, em 1901, morreu em Londrina, aos 80 anos, em 1981.

(Rua) Eurico Hummig - Paulista, natural de Campinas,  nasceu em 2 de março de 1914. Chegou a Londrina em 1938.  Possuía uma olaria na Vila Yara e foi pioneiro da Igreja Metodista na cidade. Foi também funcionário do Instituto de Terras e Cartografia, trabalho no qual acabou por se aposentar. Morreu em 3 de fevereiro de 2002, aos 87 anos. 

(Rua) Maria Lúcia da Paz -  Sobre esta homenageada não existem muitas informações, apenas que era conhecida como Dona Boa, viúva de Antônio B. Campos Primo, com quem teve seis filhos. Nasceu em São Sebastião do Paraíso (SP), em 1900; morreu em 23 de outubro de 1989. 
 
Rafael Montagnini

Busca