Notícias

12/05/2017
Planejamento como ferramenta de gestão
Planejar é preciso!

Em meados do século passado, começou-se a usar o planejamento como ferramenta de gestão. Contudo, a implementação e o uso correto desse recurso muitas vezes esbarram em aspectos culturais e organizacionais. Não há necessidade de conhecimento profundo sobre o tema para colocá-lo em prática, mas com certeza planejamento exige disciplina, comprometimento e transparência dos envolvidos.
No Brasil, principalmente na área de Construção Civil, pode-se dizer que o planejamento engatinha e ainda pouco dessa ferramenta é utilizada. Cronogramas sofrem alterações e custos extrapolam o projetado inicialmente, por exemplo. E sempre no final do projeto os problemas são os mesmos: atrasos, retrabalhos, overcost (custo acima do previsto) e baixo rendimento da mão de obra.
Frequentemente, acompanhamos pela mídia casos de obras públicas que estão atrasadas ou nas quais o custo final extrapolou, e muito, o orçamento inicial. Isso ocorre principalmente pela falta de planejamento e transparência. E de tanto convivermos com isso, acabamos achando normal. E essa sensação de que nada pode sair como o planejado acaba se incorporando em nossa rotina. Quando precisamos fazer alguma reforma em casa, já nos preparamos para as dores de cabeça que "inevitavelmente" virão.
Essa visão negativa que muitas vezes temos da construção no Brasil é um reflexo da nossa própria cultura organizacional. E o planejamento é a principal ferramenta para mudar isso. Independentemente do tamanho da reforma ou obra que se está realizando, planejar é fundamental para evitar surpresas desagradáveis e retrabalhos.
Uma sugestão para atingir o resultado esperado é gastar mais tempo na fase de definição de escopo, de detalhamento do projeto básico, e somente começar a execução com o máximo de informação definida. A mobilização da mão de obra direta deve começar com a equipe sabendo o que irá fazer e como obra deverá ser executada. E, claro, é fundamental buscar ajuda com profissionais da área, que poderão auxiliar nas fases de planejamento e execução.
Algumas dicas importantes: faça, no mínimo, três orçamentos dos produtos e serviços de que vai precisar; defina quais materiais são prioridade e colha informações com fornecedores sobre as melhores marcas; busque referências sobre profissionais capacitados para aquele determinado serviço; estabeleça metas concretas para os custos e prazos; procure se informar sobre possíveis contratempos que podem atrapalhar seu planejamento e prepare-se para minimizá-los.
Apenas iniciar uma obra não garante a sua conclusão; e iniciá-la precipitadamente pode dificultar seu término!

Gilberto Guilhen 

Busca