Notícias

10/10/2016
Marcus Ginez é o novo presidente do Conselho da Gleba Palhano
Apaixonado por motos, aviação militar e advocacia, novo presidente espera expandir o Conselho da Gleba Palhano

Perfil-Capa-Arquivo Pessoal.JPG

O advogado Marcus Ginez, 42 anos, síndico do edifício Arquiteto Júlio Ribeiro, é um homem que gosta de novos desafios. O mais recente deles foi aceitar presidir o Conselho de Condomínios Residenciais da Gleba Palhano, o ConGP. 
Apaixonado por aviação militar, com 18 anos largou os estudos e, sem contar para a família, embarcou para Brasília e se alistou na Força Área. Quando revelou o que tinha feito, seu pai nem acreditou. "Mas como eu já tinha me alistado e não havia mais nada que ele pudesse fazer, acabou por me apoiar", conta. 
Quando seu tempo de caserna chegou ao fim, resolveu estudar direito com o objetivo de ser delegado. Porém, durante o tempo na universidade, conheceu outros ramos do direito e se encantou pela prática da advocacia: "Comecei como criminalista e era algo muito desafiador para mim; hoje, atuo na civil e amo o que faço", explica. 
Morador da Gleba Palhano desde 2010, conheceu o trabalho do ConGP no ano seguinte e, recentemente, dedicou-se a implantar um novo sistema de segurança para o bairro. No dia 13 de setembro, tornou-se o novo presidente do conselho, cargo que ocupará pelos próximos doze meses. Marcus Ginez recebeu o Jornal da Gleba para esta entrevista em seu escritório.

Jornal da Gleba - Por que o senhor aceitou a presidência do ConGP?
Marcus Ginez - Aceitei porque gosto desse tipo de desafio, é algo que me motiva, sinto que posso colaborar com a nossa comunidade. Na verdade, minha esposa não queria que eu aceitasse essa responsabilidade, pois já sou voluntário em outras entidades, mas ela entendeu e está tudo bem (risos). 

JG - O senhor vai acumular o cargo de presidente do ConGP e as responsabilidades de síndico. Em sua opinião, quais características um bom síndico deve ter?  
MG - É preciso muito jogo de cintura, ser o último a falar em uma discussão entre vizinhos, ter cautela nas contas do condomínio, manter a manutenção em dia, e contar com uma boa equipe de funcionários, dando a eles o suporte necessário para que desempenhem bem suas funções. 

JG - O que a Gleba Palhano tem de especial para o senhor?
MG - Acho que os moradores daqui contam com uma boa qualidade de vida, temos ruas mais largas do que outros bairros, a arborização é boa, a maior parte das calçadas é acessível para os pedestres, além de contar com uma relativa tranquilidade. 

JG - Quais serão as suas principais metas na direção do conselho?
MG - A primeira meta é implantar um sistema de segurança para o bairro, em parceria com o município, e melhorar o paisagismo local; por isso, estamos trabalhando com um escritório de arquitetura que apresentará um projeto em breve. 

JG - Atualmente, a Gleba Palhano tem mais de setenta torres, mas o ConGP tem somente vinte associados. Por que o número de associados não aumentou muito nesses sete anos de conselho e o que o senhor pretende fazer para atrair mais síndicos? 
MG - Precisamos dar mais visibilidade aos nossos trabalhos; por isso, quero produzir uma cartilha para entregar a todos os síndicos do bairro. 

JG - Qual o seu recado para o novo prefeito de Londrina?
MG - Estamos de braços abertos para que a Gleba Palhano seja o principal cartão-postal de Londrina, mas, para que isso aconteça, precisamos da sua ajuda. 

Rafael Montagnini 

Busca