Notícias

18/11/2015
Semáforo necessário
ConGP irá custear a compra de equipamento necessário para a instalação de semáforo que deve ser implantado neste mês

Nos últimos anos, o crescimento da região da Gleba Palhano revelou a necessidade de diversas intervenções para melhorar o trânsito na área. Com oaumento do número de veículos -que deve se tornar ainda maior com a inauguração de um novo shopping -há cerca de um ano o Conselho de Condomínios Residenciais da Gleba Palhano(ConGP) mantém diálogos com o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina(IPPUL) para cobrar melhorias no trânsito da Gleba.
O conselho apresentou ao IPPUL diversas sugestões para melhorar o fluxo de veículos e evitar acidentes nas ruas da região. De acordo com o secretário administrativo do ConGP, Sidnei Amaro, "algumas sugestões já foram implantadas, outras foram rejeitadas e algumas ainda estão em processo de análise para implementação". Entre as alterações que já foram feitas pela CMTU estão o fechamento de retornos em duas rotatórias próximas ao Lago Igapó, no início das avenidas Ayrton Senna e Maringá, e a instalação de semáforos e faixas de pedestres nas proximidades desses locais.
Um plano prevendo outras intervenções foi elaborado pelo IPPUL e deve começar a ser executado neste mês pela CMTU.Entre as reivindicações do ConGP que devem ser atendidasestá a implantação de um semáforo no cruzamento das ruas Ernany Lacerda de Atayde e Eurico Huming, local que, de acordo com o presidente do ConGP,Janderson Marcelo Canhada,é um dos pontos críticos do trânsito da Gleba e tem registradovários acidentes.
Porém, a implantação depende da aquisição de um dos componentes do semáforo, que faz o controle do fluxo, com custo aproximado de R$ 7 mil. Como a CMTU não tem o equipamento no momento e a abertura de uma licitação leva tempo,a entidade sugeriu que o ConGP arcasse com o valor- sugestão que foi acolhida pelo conselho em reunião realizada no início de outubro. "Como é um local perigoso e há muitos acidentes por ali, o conselho concordou em pagar pelo semáforo, com a contrapartida de que a CMTU faça a instalação o mais rápido possível", diz o presidente. Segundo Canhada, o valorutilizado provém da contribuição dos moradores dos diversos condomínios filiados ao ConGP.
"É a primeira vez que o conselho contribui financeiramente para melhorias, mas estamos prevendo outras parcerias, como para a sinalização dos nomes de ruas nas esquinas da Gleba", diz Canhada, que destaca o grande crescimento do número de veículos na região. "Há locais que têm muitos edifícios sendo construídos simultaneamente, então o poder público precisa fazer sua parte para tornar esse crescimento sustentável", diz.
O Jornal da Gleba tentou contato com o diretor de trânsito da CMTU, Hemerson Pacheco, durante a última semana de outubro, para apurar o andamento da instalação do semáforo. Porém, até o fechamento da edição, o diretor não retornou as ligações da reportagem.

Fernando Bianchi

Busca